Voltemos ao Evangelho

Loading...

sexta-feira, 11 de setembro de 2009

CRISTÃO OU MEMBRO?



O milagre do novo nascimento está sendo entendido como um processo mecânico e sem vida. Parece que o exercício da fé já não abala a estrutura moral do homem, nem modifica a sua velha natureza. É como se ele pudesse aceitar a Cristo sem que, em seu coração, surgisse um genuíno amor pelo Salvador (A.W.Tozer).
Num tempo de crise em torno do que venha a ser um pastor, é certo que uma das grandes sequelas latentes é a crise do ser cristão. O que vem a ser isso? Seria possível um homem que não tem sede e fome de Deus ser considerado um cristão, um discípulo de Cristo? Será que basta levatar a mão e dizer “aceitei a Cristo em meu coração”?
Não quero entrar em ideologismos rebuscados, nem mergulhar num abismo negativista e saudosista acerca da Igreja que temos nos tornado. Mas também não podemos caminhar na auto-ilusão de que as coisas vão melhorar, numa má compreensão do jargão “o melhor ainda está por vir”.
O fato é que as igrejas tem nadado de braçada no mesmo rumo da sociedade em que está inserida. Ser cristão deveria ser sinônimo de gente que não se entrega ao pecado, aliás, o que vem a ser pecado, já que tudo está relativizado? A crise de absolutos faz com que a Palavra de Deus seja a maior ferramenta nas mãos dos estelionatários da fé. Há uma pandemônio ente forma e essência, entre ser e ter e, como disse um amigo blogueiro (www.ramonsdacosta.blogspot.com), a máxima que o ministério pastoral tem seguido é “penso logo qualquer coisa”. Qualquer coisa mesmo: animador de plateia; curandeiro que deveria dar plantão em uma UTI, ao invés de se enfurnar numa igreja e apenas dar um plantão diário de 2 ou 3 horas; promotor de pirâmides de network marketing; entre outras variações daquilo que se chama, hoje, de ministério pastoral.
Com tantos exercícios de uma fé extra bíblica de sucesso de massa, o resultado não poderia ser muito diferente do que temos hoje. Pessoas vazias enxendo os templos, mas que não sabem nem mesmo qual a razão da sua própria fé. A instituição igreja nunca esteve tão cheia de gente sem convicção da própria salvação - e que nem ao menos sabem o que isto significa direito -, mas que conhecem bem todas as fórmulas místicas de como se espremer as pseudopromessas, numa verdadeira cabala evangélica.
O mundo está carente de ouvir a voz profética da Igreja de Cristo, que diz:
- Arrependam-se dos seus pecados, enquanto o Reino está acessível. Hoje temos o advogado, Jesus Cristo, em breve Ele virá como o Juiz.

1 comentários:

André Luís disse...

o que dói é que mesmo ouvindo e vendo verdades como essas, ensistimos em dzer que estamos vivendo um grande avivamento em nosso nação.Tenha misericórdia de nós senhor jesus

Newer Posts Older Posts
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...