Voltemos ao Evangelho

Loading...

segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

CADA UM TOME A SUA CRUZ


“Mas ele, virando-se, e olhando para os seus discípulos, repreendeu a Pedro, dizendo: Retira-te de diante de mim, Satanás; porque não compreendes as coisas que são de Deus, mas as que são dos homens” (Mc 8. 33)
E quantos são os frequentadores de igrejas que também não compreendem as coisas de Deus? Esse é o cerne da compreensão das palavras de Cristo e, principalmente, a condição para sua aplicação a nossa vida.
“E chamando a si a multidão, com os seus discípulos, disse-lhes: Se alguém quiser vir após mim, negue-se a si mesmo, e tome a sua cruz, e siga-me” (v. 34)
O cristianismo pós-moderno não se preocupa com a questão de seguir os passos de Jesus. Os pregadores e cantores estão mais preocupados em destacar o que há de comum entre o cristianismo e que a vida que as pessoas estão acostumadas a levar, do que as diferenças colossais entre os dois estilos de vida.
Consequentemente, existe uma massa denominada cristã que se ‘converteu’ sem ouvir uma mensagem que fala sobre reconhecimento e confissão dos pecados, arrependimento e novo nascimento. Isso trás uma grande aceitação evangélica na mídia e um rebanho muito distinto daquele que ‘nega a si mesmo’.
Aliás, negar, ser negativo ou palavras que não fazem parte da confissão positiva estão totalmente fora de cogitação nas pregações evangelicalistas do momento. No entanto, o Senhor Jesus chamou a atenção da multidão e lhes trouxe palavras de auto-negação explícitas, contundentes e com uma clareza inconfundível.
Jesus fala exatamente do instrumento de tortura mais abominável da época, a cruz. E não está em questão a Sua própria cruz, mas a nossa cruz, a que cada um deveria conduzir sobre a sua própria carne. Aquela cruz que tem a capacidade de intensificar a dor, que causa repulsa naqueles que vêem os pobres crucificados cambaleantes. Uma dor terrível que pode durar dias a fio, até que, enfim, a carne esteja morta.
É essa a cruz de quem quiser ser discípulo de Cristo... “Porque qualquer que quiser salvar a sua vida, perdê-la-á, mas, qualquer que perder a sua vida por amor de mim e do evangelho, esse a salvará” (v. 35). Essa cruz começa com o reconhecimento de que somos pecadores e que precisamos desesperadamente do perdão e do amor de Deus.  E continua com o arrependimento, confissão dos pecados e fé que Jesus é o Único Caminho que conduz o homem a vida plena com o Pai. Mas vai além... Até que o pecado já não tenha mais domínio e se torne um acidente na vida daquele que se fez um discípulo de Cristo, como relata a Bíblia; “Eu mentia e já não minto mais, eu roubava e já não roubo mais”. E assim por diante.
No mais, meus amigos, tudo são “demais coisas”.

domingo, 29 de janeiro de 2012

DESERTO, LUGAR DE ENCONTRO COM DEUS




Ao pior ano da minha breve existência, adeus.

     Não que não tenha havido nada de proveitoso, aliás, a verdade é que talvez tenha sido o ano em que o Bom Pastor mais retirou carrapichos da minha alma, ungiu a minha cabeça com azeite e me preparou uma mesa no deserto. Essa era  a forma em que Deus agia, levando Israel para aonde não havia nada que os distraíssem, quando precisava tratar com eles. E creio que ainda seja assim que Ele continue tratando com seus filhos de coração mais duro.
“Sou a única pessoa que conheço que perdeu U$ 250 milhões em um ano...Foi um bom construtor de caráter” (Steve Paul Jobs).
     Pensando assim posso até dizer que 2011 foi um tempo que será lembrado por toda a minha vida. Nunca tive e nem cheguei perto de uma fortuna, mas até o que eu não era meu foi levado. Descobri na própria carne que não estamos livres de uma tijolada na cabeça, contudo, posso testemunhar que, apesar de todas as perdas - nas quais computo a saúde, dinheiro, humilhação, vergonha -, enfim, apesar de todos os pesares, a essência da vida cristã é não perder a fé, a esperança e o amor (1 Co 13. 13).
     E, graças a Deus e pelos cuidados e orações da minha esposa, da família e dos amigos, sobrevivi. Salpicado como um tição salvo do fogo, mas estou de volta. As frustrações, decepções, traições podem até amargar o sabor da vida, caso não tenhamos fé suficiente para compreender que Deus governa tudo. Ele tem muitas maneiras de nos orientar, de falar conosco e em todas elas o Seu amor está presente. Podemos até levar um tempo para enxergar essa realidade, mas tudo está sob o governo do Senhor. Demorei para dar a luz a essa fé.


‘Senhor, muito obrigado por sua graça, misericódia e seu amor por mim’

     A todos o meu muito obrigado. No último ano descobri a quantidade de amigos que tenho, de gente que se importa comigo, de pessoas que fizeram a diferença em minha vida. E que a razão da nossa fé, o Senhor Jesus Cristo, ocupe a cada dia mais o centro das nossas vontades e o trono de nossas vidas.

Fraternalmente, em Cristo,
Omar.

Newer Posts Older Posts
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...